sábado, 17 de dezembro de 2011

A criança interior!

O espírito brincalhão é uma das partes mais reprimidas dos seres humanos. Todas as sociedades, culturas e civilizações têm sido contra o espírito brincalhão porque a pessoa brincalhona nunca é séria. E a não ser que a pessoa seja séria, não é possível dominá-la, não se consegue fazer com que ela se torne ambiciosa, que deseje poder, dinheiro e prestígio.
      A criança nunca morre em quem quer que seja. Ela não morre quando você cresce; a criança permanece. Tudo o que você foi, ainda está aí dentro. E assim permanecerá até seu último suspiro.
      Mas a sociedade sempre tem medo de pessoas não-sérias. Pessoas não-sérias não terão ambição por dinheiro ou por poder político. Elas irão curtir mais a existência. Mas, curtir a existência não irá lhe trazer prestígio, não o tornará poderoso, não irá satisfazer o seu ego, e todo o mundo do homem gira ao redor da idéia do ego. O espírito brincalhão é contra o seu ego. Você pode experimentar e ver. Simplesmente brinque com crianças e você perceberá que seu ego estará desaparecendo e que você estará se tornando uma criança novamente. Isto é verdadeiro não apenas para você. Isto é verdadeiro para qualquer um.
      Porque a sua criança interior foi reprimida, você reprimirá as suas crianças. Ninguém permite que suas crianças dancem, cantem, gritem ou pulem. Por motivos corriqueiros: talvez alguma coisa possa ser quebrada, talvez elas possam molhar a roupa na chuva se correrem lá fora. Por estas pequenas coisas, uma grande qualidade espiritual - o espírito brincalhão - é totalmente destruída.
      A criança obediente é elogiada pelos seus pais, pelos professores, por todo mundo, enquanto a criança brincalhona é condenada. O seu espírito brincalhão pode ser absolutamente inofensivo, mas ele é negado porque potencialmente existe um perigo de rebelião. Se a criança continuar crescendo com total liberdade para ser brincalhona, ela vai acabar sendo um rebelde. Ela não será facilmente escravizada, ela não se alistará facilmente num exército para destruir pessoas ou ser destruída.
      Uma criança rebelde acabará se tornando um jovem rebelde. Depois você não conseguirá forçá-lo a se casar, a aceitar um determinado trabalho; e a criança não poderá ser forçada a preencher os desejos e vontades não realizados de seus pais. Um jovem rebelde seguirá o seu próprio caminho. Ele viverá a sua vida de acordo com seus próprios desejos internos e não de acordo com os ideais de outras pessoas.
      O rebelde é basicamente natural. A criança obediente está quase morta; então os pais ficam muito felizes porque ela está sempre sob controle.
      O homem é estranhamente doente: ele quer controlar as pessoas. Controlando as pessoas o seu ego fica satisfeito, ele é alguém especial. Ele próprio também quer ser controlado, porque assim ele não é mais responsável.
      Por todas essas razões, o espírito brincalhão é sufocado, é esmagado desde o início.
      Você está perguntando, ‘existe um lindo garotinho dentro de mim que eu negligenciei por muito tempo. Este garotinho é brincalhão, curioso e extático. Mas, na maior parte do tempo eu não lhe permito perder o controle.’ Qual é o medo? O medo foi implantado pelos outros: sempre mantenha o controle, sempre permaneça disciplinado, sempre respeite os mais velhos. Siga sempre o padre, os pais e os professores – eles sabem o que é certo para você. Nunca é permitido à sua natureza ter sua própria voz.
      Aos poucos você começa a carregar uma criança morta dentro de si. Esta criança morta dentro de si, destrói o seu senso de humor: você não consegue rir com a totalidade de seu coração, você não consegue brincar nem curtir as pequenas coisas da vida. Você se torna tão sério que a sua vida, ao invés de se expandir, começa a se encolher.
       A vida deve ser, a cada momento, uma criatividade preciosa. O que você cria não interessa – pode ser apenas castelos de areia na praia – mas o que você fizer, deverá brotar de seu espírito brincalhão e de sua alegria.
      Nunca permita que sua criança morra. Alimente-a e não tenha medo de que ela fique fora de controle. Para onde ela poderá ir? E mesmo se ela ficar fora de controle – e daí?
      O que você pode fazer fora do controle? Você pode dançar feito um louco, rir feito um louco, pode pular e correr feito um louco. As pessoas podem pensar que você está louco, mas isto é problema delas. Se você está curtindo isto, se a sua vida está sendo nutrida por isto, então não interessa, mesmo se isto se tornar um problema para o resto do mundo.
          O homem que vive em sua cabeça, não vive de jeito algum. Somente o homem que vive em seu coração e canta canções que não são compreensíveis pela sua cabeça, consegue dançar aquilo que não é de maneira alguma relevante em qualquer contexto externo... Dance a partir de sua abundância, a partir de sua riqueza. Você tem tanta energia que gostaria de dançar, cantar e gritar... Então faça isto!
      Isto tornará você mais vivo, isto lhe dará a oportunidade de saborear o que a vida realmente é. O homem sério já está morto antes de sua morte. Muito antes de sua morte ele permanece quase como um cadáver.
     A vida é uma oportunidade tão valiosa; ela não deve ser perdida em seriedade. Guarde a seriedade para a sepultura. Deixe que a seriedade se desmorone na sepultura, aguardando pelo dia do julgamento final. Mas não se torne um cadáver antes da sepultura.
      Eu me lembro de Confúcio. Um de seus discípulos lhe fez uma pergunta muito típica de milhares de pessoas: ‘Você poderia me dizer algo a respeito do que acontece após a morte?’
      Confúcio disse, ‘Todos estes pensamentos a respeito da morte, você poderá refletir a respeito quando já estiver na sua sepultura, após a morte. Neste exato momento, viva!’
      Existe um tempo para viver, como existe um tempo para morrer. Não os misture, senão você perderá ambos. Neste exato momento, viva totalmente e intensamente; e quando morrer, morra totalmente. Não morra parcialmente: um olho morre e o outro permanece olhando ao redor, uma mão morre e a outra continua procurando pela verdade. Quando você morrer, morra totalmente... E reflita sobre o que é a morte. Mas neste exato momento, não desperdice tempo refletindo sobre coisas que estão muito longe: viva este momento. A criança sabe como viver intensamente e totalmente, e sem qualquer medo de que vai perder o controle.
            Se todo o mundo começar a rir, curtir e brincar haverá uma grande revolução. A guerra é criada por pessoas sérias; assassinatos são cometidos por pessoas sérias; suicídios são cometidos por pessoas sérias; os manicômios estão cheios de pessoas sérias. Simplesmente observe o dano que a seriedade tem causado aos seres humanos, e você pulará logo para fora da seriedade e liberará a sua criança, que está dentro de você, esperando para brincar, cantar e dançar.
      Esta existência é a nossa casa: estas árvores e estrelas são nossas irmãs, estes oceanos, rios e montanhas são nossos amigos. Neste imenso universo fraternal.
     
OSHO

0 comentários:

Postar um comentário